Eletrofitas: o que são e para que servem

Você já ouviu falar em eletrofitas? É um produto inovador desenvolvido no Brasil e se apresenta como a solução ideal para instalações elétricas sem precisar quebrar paredes.

As eletrofitas são condutores elétricos de alta tecnologia e em forma de fita autoadesiva. Podem ser aplicadas em paredes, divisórias, dry-wall, lajes, tetos e pisos de maneira rápida e prática, sem deixar relevos nas superfícies.

Ele não foi criado para substituir os fios em toda a instalação, mas permite aumentar o número de tomadas ou pontos de iluminação, por exemplo. Após aplicadas, elas são completamente ocultadas sob o acabamento, deixando um visual limpo no ambiente.

A instalação é rápida e fácil de fazer. Porém, instalar corretamente é o segredo para obter o melhor desempenho do produto, que é um dos destaques do mês na nossa loja. Seguindo um passo a passo e utilizando algumas ferramentas básicas é possível ampliar a rede elétrica de um ambiente sem quebra-quebra, sem sujeira e com um acabamento perfeito.

Nesse link é possível ter todas as informações sobre como instalar. Assista o vídeo abaixo e veja como é simples:

Esta novidade já está disponível em nossa loja. Confira!

Estamos de volta com o nosso blog e, a cada mês, vamos mostrar novidades do mercado elétrico e os produtos em destaque! Fique de olho nas nossas postagens!

As lâmpadas incandescentes morreram, e agora?

As lâmpadas incandescentes foram inventadas por Thomas Edison (1847 – 1931), dentre outros inventos, no final do século XIX, e tiveram seu fim declarado depois de 137 anos, pelo menos no Brasil.

Muito populares, estas lâmpadas no entanto, são péssimas no aproveitamento de energia. A luz da lâmpada incandescente vem da propriedade física do filamento de se incandescer quando uma corrente elétrica passa por ele, porém o rendimento energético é mínimo. Apenas o equivalente a 5% da energia elétrica consumida é transformado em luz, os outros 95% são transformados em calor, motivo pelo qual o mundo inteiro já aboliu esse tipo de lâmpada.

Desde o dia 1º. de julho de 2015 as lâmpadas incandescentes de 60W, as mais comuns, foram proibidas de serem fabricadas e importadas e 2016 foi a data estipulada para que deixassem de existir definitivamente (todas as potências). Já é bem difícil encontrá-las no mercado e o comércio deverá terminar com seus estoques ainda em 2017.

Mas ainda fica uma pergunta para muitos: como substituir essas lâmpadas, que são as mais baratas? Conheça abaixo as novas alternativas para iluminar sua casa.

Equivalências entre uma lâmpada incandescente, fluorescente compacta e LED. Foto: divulgação Avant

Lâmpadas Halógenas: pelo menos 40% mais eficientes e duram 2.000 horas. São muito usadas nos faróis de automóveis.

Lâmpadas Fluorescentes Compactas (ou ainda, Lâmpadas Eletrônicas): São lâmpadas fluorescentes tubulares curvadas e dobradas para se encaixar nos locais das lâmpadas comuns e o reator fica na base da lâmpada. No quesito eficiência, elas consomem entre 1/5 e 1/3 de energia para produzir a mesma luz.

Lâmpadas de LED (Diodo Emissor de Luz): Devido a versatilidade, podem ser usadas para uso geral ou para fins específicos. Em relação às lâmpadas fluorescentes, as vantagens são de não conter Mercúrio, funcionam em qualquer temperatura, possuem vida útil extremamente longa, não são afetadas pelo “liga-e-desliga”, não possuem vidro para quebrar, não emitem raios UV que desbotam materiais coloridos. Lâmpadas de LED quase não emitem calor e podem ser usadas tanto como multidirecionais quanto unidirecionais, eliminando a utilização de espelhos refletores. Duram até 25 mil horas.

Indução Magnética: Muito raras no mercado, utilizam um campo magnético para induzir o metal mercúrio a emitir luz UV, que é convertida para a luz visível com a utilização de revestimento de fósforo. Duram até 15 mil horas e produzem mais de 60 lúmens por watt.